Empresário cria curso para capacitar profissionais no mercado de energia solar

Por G1

Belo Horizonte, 29 de novembro de 2019.

Até 2050, as energias alternativas vão ser responsáveis por quase 50% do abastecimento mundial.

É o caso da energia fotovoltaica, ou solar, que está cada vez mais barata e deve atrair mais de R$ 16 trilhões em investimentos nos próximos 30 anos, segundo a Bloomberg.

O consultor José Renato Colaferro explica que mesmo nos países que começaram a usá-la antes do Brasil, como, por exemplo, a Alemanha e os Estados Unidos, e que já têm alguns milhões de consumidores conectados, ainda têm muita oportunidade nessa área.

No Brasil, o empresário Cláudio Ramalhoso já participa deste mercado. Ele começou vendendo e fazendo a instalação de painéis e equipamentos. Com aumento da procura, criou um novo negócio: um curso para iniciar profissionais no mundo da energia solar. A procura dos consumidores brasileiros pela energia dobrou de tamanho em apenas um semestre.
"A gente vê no mercado a falta de pessoas com conhecimento técnico em energia solar, ou seja, tanto a pessoa que instala, como a pessoa que projeta, como a pessoa que vende. O mercado ainda é escasso dessas pessoas", afirma Cláudio.

Em 2018, foram 50 mil instalações de painéis solares e em junho deste ano, já somavam 100 mil instalações. O setor também gerou mais de 72 mil vagas de trabalho. Os dados são da Absolar – Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica.

Para o consultor José Renato, o maior desafio hoje nessa área é a regulamentação. “O setor elétrico é um setor que, historicamente, foi muito regulado, então tem muita lei e muita regulamentação da Aneel, muita coisa que tem que ser respeitada // Então essa burocracia do setor – algumas vezes com razão e outras vezes sem razão, acaba gerando dificuldade pro empreendedor desse setor.”

O curso oferecido pelo empresário Cláudio custa R$ 800 e não há exigência de conhecimento prévio. A empresa do Cláudio, fatura R$ 30 mil por mês. "A energia solar é um setor, uma área que está de portas abertas para todo mundo, então todo mundo que tiver interesse em trabalhar, tem espaço sim.”

 

In: G1